Imprima esse post .
O CAVALEIRO COM COMPAIXÃO NOS OLHOS

Era uma tarde de tempo feio e frio no norte da Virgínia, há muitos anos. A barba do velho estava coberta de gelo e ele esperava alguém para ajudá-lo a atravessar o rio. A espera parecia não ter fim. O vento cortante tornava seu corpo dormente e enrijecido.

Ele ouviu o ritmo fraco e ritmado dos cascos de cavalos a galope sobre o chão congelado. Ansioso, observou quando vários cavaleiros apareceram na curva. Ele deixou o primeiro passar, sem procurar chamar sua atenção. Então veio outro e mais outro. Finalmente, o último cavaleiro se aproximou do lugar onde o velho estava parado como uma estátua de gelo. Depois de observá-lo rapidamente, o velho lhe acenou, perguntando: “O senhor poderia levar este velho para o outro lado? Parece não haver uma trilha para eu seguir a pé.”

O cavaleiro parou o cavalo e respondeu: “É claro. Pode montar.” Vendo que o velho não conseguia levantar o corpo semicongelado do chão, ajudou-o a montar e não só atravessou o rio com o velho, mas o levou ao seu destino, algumas milhas adiante.

Quando se aproximavam da casa pequena, mas aconchegante, curioso, o cavaleiro perguntou: “Eu percebi que o senhor deixou vários outros cavaleiros passarem sem fazer qualquer gesto para pedir ajuda na travessia. Então eu apareci e o senhor imediatamente me pediu para levá-lo. Eu gostaria de saber por que, numa noite fria de inverno, o senhor pediu o favor ao último a passar. E se eu tivesse me recusado e o deixado na beira do rio?”

O velho apeou do cavalo devagar. Olhou o cavaleiro bem nos olhos e respondeu: “Eu já vivi muito e acho que conheço as pessoas muito bem.” Parou um instante e continuou: “Olhei nos olhos dos outros que passaram e vi que eles não se condoeram da minha situação. Seria inútil pedir-lhes ajuda. Mas, quando olhei nos seus olhos, ficaram claras sua bondade e compaixão. A vida me ensinou a reconhecer os espíritos bondosos e dispostos a ajudar os outros na hora da necessidade.”

Essas palavras tocaram profundamente o coração do cavaleiro: “Fico agradecido pelo que o senhor falou”, disse ao velho. “Espero nunca ficar tão ocupado com meus próprios problemas que deixe de corresponder às necessidades dos outros com bondade e compaixão.”

Falando isso, Thomas Jefferson virou seu cavalo e voltou para a Casa Branca.


Veja Mais:

08 / 07 / 2016 - APRENDENDO COM OS ERROS

07 / 07 / 2016 - VITÓRIA ETERNA – Paulo Barbosa

06 / 07 / 2016 - A FÉ DA LIBERDADE – Burrows

05 / 07 / 2016 - FALTA UM TESTEMUNHO (M.G. Pearse)

04 / 07 / 2016 - GRANDES IDEIAS

01 / 07 / 2016 - A PERSISTÊNCIA RECOMPENSADA

29 / 06 / 2016 - HERANÇA INCORRUPTÍVEL

28 / 06 / 2016 - DESÂNIMO

27 / 06 / 2016 - O DENTISTA

26 / 06 / 2016 - EM CIMA DO MURO

Deixe seu comentário





(*)campos obrigatórios.

Publicidade Externa Google
PRA MARISANGELA ROCHA I PRA MÔNICA CRISTINA I PR CÉSAR CARVALHO I PR RODRIGO LOURENÇO